Abastecimento de Água

 

A BRK Ambiental está investindo na modernização do sistema de abastecimento de Sumaré, promovendo melhorias que têm contribuído para garantir mais regularidade e qualidade à água distribuída na cidade. 

Antes da concessão dos serviços à iniciativa privada, até 2015, o sistema de produção de água tinha capacidade para 24 milhões de litros, o que demandava um constante trabalho de importação de água de cidades vizinhas. Esse quadro mudou.

Hoje a cidade é autossuficiente na produção de água, com a produção de 30 milhões de litros, e está encarando um segundo grande desafio: a substituição de redes de distribuição deterioradas  

Esse trabalho segue a todo vapor e a substituição da adutora do Picerno, na região central da cidade, é um passo importante nesse sentido. A obra beneficia diretamente 35 mil pessoas.  

Hoje, 100% da área urbana recebe água tratada e nosso trabalho de captação, tratamento e distribuição de água segue rigorosos procedimentos de execução. 

 

Qualidade da água

A concessionária realiza análises de água nos laboratórios instalados nas estações de tratamento, além do monitoramento das redes de distribuição por meio do Laboratório Móvel, uma unidade volante que percorre, de acordo com o plano amostral, as diversas regiões da cidade coletando amostras da água distribuída à população. 

O objetivo é analisar como a água chega aos bairros após percorrer quilômetros de redes de distribuição. O Laboratório Móvel também pode ser solicitado para atendimento gratuito à população, pelo 0800 771 0001.

Conheça as etapas da gestão do serviço de abastecimento de água realizado pela BRK Ambiental em Sumaré e saiba tudo sobre a água que você consome em casa.

 

Captação 

A água que abastece 30% da cidade de Sumaré vem das Represas Marcelo Pedroni, Horto I e Horto II. O restante do município é abastecido pela água captada do Rio Atibaia.

A cidade possui duas Estações de Tratamento de Água. A ETA I é abastecida pela Represas Marcelo Pedroni, Horto I e Horto II, tem capacidade para tratar 350 litros por segundo e abastece as regiões do Centro e Picerno.  

Já a ETA II capta a água do Rio Atibaia e atua com capacidade de tratamento de 600 litros por segundo. A estação é responsável pelo abastecimento das regiões Matão, Área Cura, Nova Veneza e Maria Antônia.

 

Tratamento 

A água tratada e distribuída em Sumaré atende aos parâmetros de potabilidade estabelecidos pela Portaria de Consolidação nº 5 de 28 de setembro de 2017 e a Resolução SS 65 da Secretaria de Estado da Saúde.

infografico_circuito-da-agua

O sistema convencional inclui as etapas de tratamento: 

1 Adução 

Transporte da água da estação de captação para a ETA. 

2 Coagulação e Floculação 

A água recebe um coagulante que promove uma reação que separa os resíduos sólidos e os organiza em flocos. 

3 Decantação

Nos tanques de decantação, é feita a remoção das partículas mais densas que, pela ação da gravidade, irão se depositar no fundo dos decantadores.

4 Filtragem

Etapa de remoção das partículas pequenas, através da passagem da água por um filtro de areia e pedregulho.

5 Desinfecção e fluoretação 

Água recebe adição de cloro e flúor.

6 Reservatório 

A água filtrada e tratada na ETA é armazenada em reservatórios para ser distribuída à rede de abastecimento de Sumaré.

 

As duas estações operam com processo de tratamento do tipo convencional e a ETA II também opera com sistema manto de lodo, que é formado pela unidade de decantação do tipo superpulsator e pela unidade de filtração.

O município também possui um sistema independente de poços para abastecer pequenas regiões mais distantes, onde é aplicado tratamento de cloração.

 

Distribuição 

Após o processo de tratamento, a água é distribuída, por gravidade ou bombeamento, para os 31 reservatórios espalhados pela cidade de Sumaré, responsáveis por abastecer a rede de tubulações e com capacidade de reservação de, aproximadamente, 33 milhões de litros de água.

 

ACOMPANHE NOSSAS OBRAS, AVISOS E TUDO QUE ACONTECE NA BRK AMBIENTAL DA SUA CIDADE